Mauricio Lopez Mauricio Lopez 

Documento para a Fase Continental do Sínodo: contribuições do Povo de Deus

Documento para a Fase Continental do Sínodo: "a dobradiça que permitirá aprofundar o discernimento", diz Mauricio Lopez.

Padre Modino - CELAM

O Documento para a Etapa Continental do Sínodo sobre a Sinodalidade foi publicado a 27 de outubro, três anos após o encerramento do Sínodo para a Amazónia, um documento elaborado por um grupo de peritos, incluindo Mauricio López.

É "a síntese de todas as contribuições da Igreja Povo de Deus no mundo, à luz do caminho feito pela América Latina", nas palavras de Mauricio López, algo que o leva a identificar "três etapas de crescimento progressivo, mesmo de revelação progressiva do Espírito Santo, a fim de se tornar cada vez mais uma Igreja plenamente sinodal".

Referindo-se ao Sínodo para a Amazônia, recorda que com ele "foi estabelecida uma forma sem precedentes de escutar o Povo de Deus", sublinhando que é algo que "foi incorporado na dinâmica dos processos sinodais a fim de permanecer permanente". Uma dinâmica que pressupõe que "já não são pequenos grupos elitistas, reduzidos apenas em torno das figuras dos bispos, mas que se estende ao maior número do Povo de Deus", que "foi produzido sobretudo a partir da experiência do Sínodo Amazônico", insiste ele.

"Na América Latina, desde a Primeira Assembleia Eclesial, esta perspectiva de ampla escuta tem sido mantida, mas foi incorporado um verdadeiro elemento de discernimento comunitário, onde todo o Povo de Deus já delegou à Assembleia como tal, o que ela propôs e definiu com base no seu próprio discernimento e reflexão sobre os desafios e orientações pastorais", afirma o diretor do Centro de Programas e Redes de Ação Pastoral do Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam).

Mauricio lembra que "isto foi incorporado na forma como este Sínodo da Sinodalidade está estruturado". Neste sentido, "podemos dizer que este Documento para a Etapa Continental já reflete um exercício de escuta e discernimento que também orienta claramente os aspectos e desafios prioritários com os quais a Igreja quer avançar".

Neste contexto, pergunta sobre a novidade num sentido de crescimento progressivo para o Sínodo da Sinodalidade, à luz dos passos dados com características que podemos certamente identificar na América Latina. A isto responde que "nesta ocasião está associado ao fato de o Papa ter proposto uma Assembleia Ordinária alargada", recordando que a Assembleia tem início em Outubro de 2023 e que, como anunciado há alguns dias, será prolongada até Outubro de 2024.

Com esta novidade, "incorpora um novo elemento, também sem precedentes, do Povo de Deus recebendo efetivamente os frutos da Primeira Fase da Assembleia Ordinária a fim de os apropriar, de os aprofundar e de os validar". A novidade que Mauricio López descreve como extraordinária reside no fato de "o Povo de Deus não ser deixado de fora após a escuta e esta fase de discernimento, embora os espaços estejam a ser reduzidos devido à convergência dos temas e a ter delegações representativas com uma composição ampla".

A partir daí, considera que "esta novidade de uma Assembleia Ordinária repartida por duas fases abre a perspectiva para um exercício eficaz da sinodalidade de todo o Povo de Deus em todo este processo". Por esta razão, considera que "este Documento para a Etapa Continental é como o eixo que liga estas duas fases, ouvindo, com uma síntese genuína, profunda, responsável, cheia das vozes do próprio Povo de Deus, e intuindo uma estrutura que nos permite delinear uma orientação para todo o caminho à luz do que a Igreja disse, e não de documentos pré-elaborados", algo que ele considera importante.

Maurício descreve como "bela, clara, fundamental" a citação bíblica que dá ao Documento para a Etapa Continental o seu título. Uma citação que apela a "alargar a tenda, abrindo espaços, sem perder os elementos essenciais da substância, as estacas que sustentam", o que se liga à Assembleia Ordinária com uma perspectiva alargada.

Um documento que define como "a dobradiça que nos permitirá aprofundar em discernimento, com as estruturas continentais e regionais da Igreja com uma composição ampla e diversificada do Povo de Deus, onde também podemos ver a experiência da Primeira Assembleia Eclesial, partilhando algo para o Sínodo da Sinodalidade, essa composição das assembleias continentais, mas sempre na perspectiva do que já mencionei desta novidade eclesiológica de apropriação e validação que o Povo de Deus fará na fase ampla da Assembleia Ordinária".

Num único Sínodo, Mauricio insiste, "um processo em que a intenção é continuar a aprofundar este caminhar em conjunto para fazer uma Igreja muito mais plena no sentido sinodal, mas a partir da práxis e não apenas de discursos ou documentos". O tema subjacente é que "o caminho é a experiência". Um aspecto que o leva a dizer que "prolongar o caminho com estas novidades eclesiológicas permite-nos continuar a aprofundar a experiência de caminhar juntos, que é o que no final do dia permanece e sustenta esta conversão integral".

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

29 outubro 2022, 09:32