Busca

Manifestantes em Goma denunciando os assassinatos no leste da RDC e o silêncio da comunidade internacional Manifestantes em Goma denunciando os assassinatos no leste da RDC e o silêncio da comunidade internacional  (ANSA)

No Leste da RDC, os bombardeamentos do M23 esvaziam Sake dos seus habitantes

Um dos epicentros dos intensos combates entre o exército congolês e o grupo armado M23, a cidade de Sake foi esvaziada dos seus habitantes. Na segunda-feira, 19, como nos dias anteriores, as bombas que continuaram a cair obrigaram a população a deslocar-se para se refugiar noutros locais, nomeadamente em Goma. O número de mortos e feridos está a aumentar e a situação humanitária está a piorar, afirma o Padre Faustin Mbara, pároco de Sake, que descreveu a situação como alarmante.

Stanislas Kambashi, SJ – Cidade do Vaticano

"Há mais de uma semana que mais de 95% da população de Sake se deslocou para Goma e outros locais", diz o Padre Faustin Mbara, pároco da paróquia da Divina Misericórdia em Sake. A cidade, a cerca de vinte quilómetros de Goma, a capital do Kivu do Norte, está cercada por elementos do M23. Os atacantes estão a 2 km a norte, em direção a Kimoka, e a oeste, na colina Kiwuli. Estão também em Rutoboko, perto da escola secundária Pão da Vida, e a sua ameaça é "iminente", disse o Padre Sake. Na cidade, continuou, só há resistentes Wazalendo e soldados das Forças Armadas da República Democrática do Congo (FARDC).

Mais de 50.000 deslocados internos em busca de segurança

Enquanto a população de Sake ainda estava nas suas casas, duas bombas caíram perto da paróquia e do campo de deslocados que aí estava instalado, causando muitos mortos e feridos. Para procurar abrigo, a população tomou a estrada para Goma ou outros locais, "porque pensámos que a terceira bomba poderia cair sobre nós, e por isso deslocámo-nos". Este campo, prossegue o sacerdote congolês, albergava os deslocados que tinham vindo das montanhas para se instalarem em Sake. Na segunda-feira, 19 de fevereiro, uma outra bomba caiu no bairro de Kaduki, matando pelo menos uma pessoa e ferindo três, disse o sacerdote, que também encontrou refúgio em Goma e visita diariamente os campos para ver os que lá foram acolhidos.

O número dos deslocados de Sake e de outras localidades da paróquia "pode ser estimado em 50.000 ou 60.000". Alguns estão a ser acolhidos por famílias, enquanto a maioria se encontra em campos como Mugunga, Kihuli, Bulengo e muitos outros.

Uma situação humanitária alarmante

Com o afluxo dos deslocados a estes campos agora superlotados, as agências humanitárias estão quase sobrecarregadas. A Caritas diocesana está a trabalhar com o Programa Alimentar Mundial (PAM), nomeadamente na distribuição de alimentos. Mas a necessidade está longe de ser satisfeita, porque algumas pessoas "acabaram de passar uma semana sem comer nada" e outras estão a passar a noite sob as estrelas. Numa situação destas, há também o risco de surgirem doenças de origem hídrica, uma vez que o acesso à água não é fácil, disse o pároco de Sake.

A população do leste do Congo quer viver em paz

No que diz respeito à situação de segurança, o governo congolês prometeu uma contraofensiva para pôr os assaltantes fora de ação. "Mas a população continua à espera". O Padre Mbara confidenciou que a população "está preocupada porque, segundo a história, elementos do CNDP – Congresso Nacional para a Defesa da Pátria -, um grupo armado criado por Laurent Nkunda em 2007-2009, também pararam ali, em Sake, nas mesmas posições onde hoje se encontra o M23, e foi ali que a mesma população passou mais de dois anos cercada pelo CNDP". A população local receia que a história se possa repetir. O pároco de Sake apela ao governo congolês para que faça tudo o que estiver ao seu alcance para restabelecer a paz na região. Encoraja-os a encontrar as causas profundas de um conflito que está a causar morte e desolação nesta parte da RDC, a fim de encontrar uma solução que não seja paliativa, mas duradoura.

O sacerdote apelou também à comunidade internacional para que se mobilize a fim de pôr termo a esta situação, "porque a população está realmente a sofrer e haverá uma crise humanitária se não houver uma intervenção imediata". Convidou os cristãos de todo o mundo "a rezarem pelo regresso desta paz tão necessária, para que possamos trabalhar para o Senhor em paz".

Desde há cerca de dez dias, a região oriental da RDC tem sido palco de intensos combates entre o exército congolês e o grupo armado M23, apoiado pelo Ruanda, segundo o governo congolês e relatórios de peritos da ONU. Os combates concentram-se em torno de Goma, a capital da província de Kivu do Norte. Em Kinshasa, como em várias outras cidades do País, foram organizadas manifestações para denunciar "uma guerra imposta e um genocídio que passou despercebido" durante três décadas. As manifestações em Kinshasa e Lubumbashi (sudeste) tiveram como alvo a Monusco, a missão da ONU na RDC, e as embaixadas dos Países ocidentais acusados de apoiar o Ruanda.

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

20 fevereiro 2024, 10:36