Busca

Residente sírio entre os escombros deixados pelo terremoto que atingiu a Síria e a Turquia em fevereiro deste ano Residente sírio entre os escombros deixados pelo terremoto que atingiu a Síria e a Turquia em fevereiro deste ano  (AFP or licensors)

Síria, na Páscoa o renascimento acontece na reconstrução pós-terremoto

O arcebispo maronita de Aleppo, Dom Tobji, relata o esforço de todas as confissões cristãs que se uniram em um comitê ecumênico para a reconstrução. Em Aleppo, as procissões e funções celebradas nas ruas tornam-se um patrimônio comum que dá esperança e transforma o sofrimento em amor
Ouça a reportagem

Marco Guerra – Cidade do Vaticano

“Vivemos uma Quaresma sofrida, mas cheia de solidariedade, o verdadeiro acontecimento não é o terremoto, mas a sensibilidade do mundo para conosco”. Dom Joseph Tobji, arcebispo maronita de Aleppo, consegue captar o lado positivo de uma tragédia que colocou a Síria no centro das atenções de toda a comunidade internacional por várias semanas. Infelizmente, anos de guerra e devastação não conseguiram provocar a mesma onda de compaixão e apoio.

Síria novamente no centro das notícias

“Vamos observar este aspecto positivo, tantas pessoas também se ofereceram para trabalhar no terreno, tantos jovens, tantas associações e fraternidades se mobilizaram para ajudar aqueles que sofreram danos”, explica o prelado, “foram realizadas campanhas em todo o mundo para ajudar nosso povo." A solidariedade também veio de comunidades religiosas e de países vizinhos da região, como Iraque e Emirados Árabes Unidos. “Em meio a esta tragédia há algo de positivo – sublinha o prelado – a Síria voltou a aparecer nas páginas dos jornais internacionais depois de ter sido esquecida por vários anos”. Dom Tobji recorda então que esta Quaresma “diferente” vem depois de mais de uma década de outros acontecimentos dolorosos: “Doze anos de guerra, dois de pandemia de Covid, depois cólera, sanções... Cada vez há uma cruz para carregar”.

Relações com muçulmanos

A Síria é formada por um mosaico de etnias e confissões religiosas e, portanto, assume um valor ainda maior neste período de 2023 em que coincidem a Páscoa e o Ramadã. “O contato entre cristãos e muçulmanos é diário – diz Tobji – claro, há muita fraternidade, mas também algo que prejudica as boas relações, mas em geral nos damos muito bem”. Neste contexto, são significativas as relações que o ligam ao Gran Mufti da Síria e a todos os líderes religiosos de Aleppo: "Com os muçulmanos não trocamos apenas saudações formais, mas mantemos diálogos profundos, por exemplo, sobre a figura da Virgem Maria". “Os dois feriados coincidem – acrescenta – assim como coincidem todas as sensibilidades que surgiram durante o terremoto e que tanta solidariedade suscitaram, estamos no mesmo barco!”.

Sofrimento que leva ao amor

As celebrações comunitárias puderam decorrer de forma pacífica, apesar dos transtornos causados pela destruição do terremoto, uma possibilidade nada óbvia depois dos anos mais duros da guerra em que os cristãos sofreram inúmeras proibições nos territórios controlados pelos rebeldes jihadistas. Dom Tobji destaca que a comunidade cristã “se preocupa muito com este momento litúrgico”: “Não podemos deixar de assistir a estas celebrações porque dão muita esperança e o próprio significado da nossa fé”. Os cristãos, portanto, olham para a cruz e a paixão de Cristo para obter força nas dificuldades. “Estamos acostumados ao sofrimento – continua o bispo maronita – a dor educa as almas ao amor, não há amor sem sofrimento, Cristo se ofereceu na cruz movido pelo amor e esta é a nossa atitude”. No entanto, o prelado não pretende subestimar “o peso da dor”, porque “as pessoas estão esgotadas por todos estes anos de crise”. A Páscoa é também um momento de ressurreição e por isso “as expectativas dos jovens estão muito altas”, mas o bispo de Aleppo pede realismo porque “se destrói rapidamente e se reconstrói lentamente”. “Precisamos ser pacientes – diz – e esperar que a graça do Senhor abra os corações e as consciências dos governantes de todo o mundo, nossa oração é pela paz no mundo e pela prosperidade dos povos”.

Comunidades cristãs sob os jihadistas

O pensamento do bispo dirige-se também às pequenas comunidades cristãs do norte da Síria, que ainda estão sob o controle de grupos rebeldes de extremistas islâmicos. São aldeias onde os cristãos não podem professar livremente a sua fé. "Nas áreas do norte fora do controle do governo, os cristãos sofrem, restam muito poucos, especialmente os idosos, e eles vivem em grande sofrimento, ao contrário em Aleppo e nas áreas vizinhas estamos bem deste ponto de vista, nós podemos de fato realizar nossas orações, procissões e funções nas ruas”, relata Dom Tobji. Ele, portanto, nos convida a rezar pelos cristãos nas áreas sob controle dos jihadistas: “Eles só podem rezar dentro das Igrejas, e isso já é suficiente, mas não devem exibir símbolos religiosos fora”. O prelado está em contato com um dos poucos padres presentes naquelas áreas e o viu há cerca de um mês, este lhe disse que o terremoto "devastou 80% das casas e não receberam ajuda porque ninguém entra nas áreas controladas por extremistas”.

Cristãos unidos pela reconstrução

Tobji conclui sua história sobre o marco social e religioso desta Quaresma no norte da Síria, fazendo um balanço da reconstrução pós-terremoto das estruturas da comunidade cristã em Aleppo: "A maioria dos edifícios da cidade está danificada, por isso formamos um comitê ecumênico para a ajuda de todos os cristãos, do qual sou o presidente". Foram lançados dois projetos, "o de reconstrução e restauro de casas dos cristãos, que prevê também o apoio à renda para quem teve de abandonar as suas casas" e o de ajuda quotidiana sob a forma de "cesta de alimentos e donativos em dinheiro" para famílias, "porque o trabalho já não andava bem antes e com o terremoto muitos outros postos de trabalho foram perdidos ". A comissão ecumênica é mais um sinal de esperança e reação diante da tragédia, os vários bispos cristãos reuniram de fato para um projeto concreto seis comunidades católicas - orientais e de rito latino - três ortodoxas e duas protestantes, "somos onze diferentes realidades cristãs, mas trabalhamos juntos".

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

04 abril 2023, 09:34