Busca

Oração pela Reconciliação e a Paz na Colômbia  Oração pela Reconciliação e a Paz na Colômbia 

Colômbia: 3 de maio, Dia de Oração pela Reconciliação e a Paz

Nesta data, países hispânicos como a Colômbia, Espanha, Chile, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Paraguai, Peru, Argentina e Venezuela celebram a Festa da Santa Cruz. Desde 2018, na Colômbia, essa festa litúrgica tem sido associada ao Dia Nacional de Oração pela Reconciliação e Paz no país. Durante a visita do Papa Francisco ao país em 2017, que teve como tema "Demos o primeiro passo", vários discursos do Bispo de Roma foram focados na importância de contribuir para a construção da paz

Vatican News

Ouça a reportagem e compartilhe

Esta quarta-feira, 3 de maio, a Colômbia e outros países hispânicos (como Espanha, Chile, Equador, El Salvador, Guatemala, México, Paraguai, Peru, Argentina e Venezuela) celebram a Festa da Santa Cruz, ou a Festa das Cruzes ou a Cruz de Maio, em memória do achado da verdadeira Cruz de Cristo. Desde 2018, na Colômbia, essa festa litúrgica tem sido associada ao Dia Nacional de Oração pela Reconciliação e Paz no país.

"Demos o primeiro passo", visita do Papa em 2017

Durante a visita do Papa Francisco ao país latino-americano, de 6 a 11 de setembro de 2017, que teve como tema "Demos o primeiro passo", vários discursos do Bispo de Roma foram focados na importância de contribuir para a construção da paz, trabalhando no aspecto espiritual para promover o perdão e a reconciliação, apesar das feridas de um conflito sofrido por décadas com todas as suas consequências sociais, culturais, econômicas e políticas.

Em sua mensagem em vídeo para a visita, o Papa Francisco explicava: "Dar o primeiro passo encoraja-nos a sair para ir ao encontro do outro, a estender a mão e a trocarmos o sinal da paz. A paz que a Colômbia procura e que pela sua consecução trabalha há muito tempo. Uma paz estável, duradoura, para que possamos ver-nos e tratar-nos como irmãos, não como inimigos... O mundo de hoje precisa de conselheiros de paz e de diálogo. Também a Igreja é chamada a esta tarefa, para promover a reconciliação com o Senhor e com os irmãos, mas também a reconciliação com o meio ambiente que é uma criação de Deus e que estamos a explorar de maneira selvagem".

Três maneiras concretas de viver esse dia de oração

O arcebispo de Bogotá e presidente da Conferência Episcopal da Colômbia, dom Luis José Rueda Aparicio, propôs três maneiras concretas de viver esse dia de oração: "Primeiro, colocar a cruz em um lugar visível na casa, como se quisesse dizer que sua casa, sua família, é um lugar e uma escola de verdadeira reconciliação em Cristo Jesus. Segundo, fazer gestos de reconciliação com as pessoas que lhe estão próximas, com as pessoas com quem trabalha ou estuda. Em terceiro lugar, no dia 3 de maio, rezemos para que a Colômbia possa encontrar caminhos de reconciliação e para que toda a humanidade possa encontrar Jesus Cristo, que nos reconcilia com o Pai e nos torna instrumentos de reconciliação, paz e vida nova".

Para acompanhar esse Dia, a Conferência Episcopal também disponibilizou o texto intitulado "Rumo a uma Pastoral de Reconciliação e Paz", produzido pelo Secretariado Nacional de Pastoral Social (SNPS), que apresenta as Diretrizes do Episcopado para entender e trabalhar em direção a esse objetivo nas dioceses e paróquias colombianas. O documento está estruturado em cinco seções: Quadro conceitual para a reconciliação e a paz. Importância e alcance da pastoral para a reconciliação e a paz. Critérios eclesiais para a construção da paz. Pedagogia para a construção da paz.

"A paz é possível"

Entre as ações conjuntas sugeridas na conclusão estão: reconciliação social; memória para a verdade, a justiça, a reparação, a não repetição e a reconciliação; atenção integral às vítimas; pedagogia para uma cultura de paz; cuidado com a casa comum; mudança do modelo econômico: reintegração de ex-combatentes; superação da ilegalidade e da corrupção; formação política da sociedade civil.

"A paz é possível", reitera por fim o texto, pois já foram tomadas medidas nessa direção. "Ela é necessária porque uma sociedade cansada de guerra assim o exige. É responsabilidade de todos, porque é um trabalho coletivo que implica reconhecer os erros do passado e assumir compromissos concretos no presente. A Igreja na Colômbia renova sua opção pela reconciliação e pela paz de forma decisiva e ousada, confiando no poder do Espírito, nos valores do Evangelho e na bondade do povo colombiano".

(com Fides)

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

03 maio 2023, 10:54