Busca

Sala Paulo VI  - Sínodo Sala Paulo VI - Sínodo  (Vatican Media)

A Assembleia Sinodal prepara a Síntese para onze meses de espera ativa

A primeira sessão da Assembleia Sinodal do Sínodo da Sinodalidade está entrando em sua última semana, na qual a redação da Mensagem ao Povo de Deus e, sobretudo, do Documento de Síntese serão o foco dos trabalhos, que começaram com uma Eucaristia na Basílica de São Pedro e um momento de reflexão na Sala Paulo VI.

Padre Modino – Regional Norte 1 da CNBB

A missa desta manhã de segunda-feira (23) foi presidida pelo cardeal Charles Bo, Arcebispo de Rangoon, Mianmar, e presidente da Federação das Conferências Episcopais da Ásia (FABC). Em sua homilia, ele começou refletindo sobre a busca espiritual da humanidade desde que Adão e Eva escolheram "um caminho envolto em trevas", insistindo que "Deus nunca abandona seu povo".

Na vida, "somos chamados a nos aventurar no desconhecido, guiados por nossa fé inabalável", disse o Cardeal Bo, que vê Deus como "nosso guia, nosso roteiro e nosso companheiro", e a Igreja, seguindo o exemplo de Abraão, como aquela que "é chamada a ser justa, a encarnar uma jornada sinodal de fé com a convicção de que Deus nunca erra", pedindo inspiração em Moisés e para entender que "mesmo que não cheguemos ao destino pretendido, participar da jornada já é uma bênção". Isso porque "essa jornada sinodal é intergeracional" e, pessoalmente e como Igreja, somos desafiados a nos alinhar com a vontade de Deus.

Relembrando o chamado do Papa Francisco à reconciliação com Deus (Evangelii Gaudium), com a natureza (Laudato Si') e uns com os outros (Fratelli Tutti), ele afirmou que "nosso caminho sinodal é sobre curar e reconciliar o mundo em justiça e paz", definindo a sinodalidade global como a única maneira de salvar a humanidade e criar um mundo de esperança, paz e justiça. De acordo com o cardeal, "neste Sínodo, uma de nossas grandes preocupações é o legado que deixaremos para a próxima geração", refletindo sobre a realidade da Ásia e suas consequências para o futuro.

Preparando-se para o momento mais fértil do Sínodo

O padre Timothy Radcliffe descreveu os onze meses entre as duas sessões do Sínodo como o período mais fértil do Sínodo, o período de germinação. Na primeira sessão, as palavras proferidas são vistas pelo dominicano como "as sementes que são semeadas no solo da Igreja, que "quando chegar a hora, darão frutos", afirmando que "se nossas palavras forem amorosas, elas brotarão na vida de pessoas que não conhecemos".

Onze meses que ele comparou a uma gravidez, "um tempo de espera ativa", conclamando, com as palavras de Simone Weil, a não buscar os dons mais preciosos, mas a esperar por eles, algo que ele definiu como profundamente contracultural, em uma cultura "muitas vezes polarizada, agressiva e desdenhosa das opiniões dos outros", de onde ele fez um apelo para não pensar de forma partidária, o que "não é o caminho sinodal".

Para que a semente germine, ele considera necessário que "mantenhamos nossas mentes e corações abertos para as pessoas que encontramos aqui, vulneráveis às suas esperanças e medos", o que produzirá "uma colheita abundante, uma verdade mais plena. Então a Igreja será renovada. Para isso, será necessário falar, nesses onze meses, palavras que sejam férteis e cheias de esperança, e não palavras que sejam destrutivas e cínicas, palavras que sejam nutritivas e não venenosas.

O pequeno como marca do estilo de Jesus

Por sua vez, Ir. Maria Grazia Angelini refletiu sobre a necessidade de "narrar parábolas em vez de lançar proclamações". Para isso, fez uma pergunta: "Como podemos falar hoje do Mistério do Reino, do crescimento surpreendente e dramático, narrando estes dias do caminho sinodal, com palavras de carne? Na semente lançada, que podemos dizer que o Sínodo lançará com o Documento Síntese, a monja beneditina vê "um mistério de geração, de aliança gratuita", uma oportunidade para discernir os sinais do Reino a exemplo de Jesus.

Para captar e dar espaço ao dinamismo da Palavra em si mesmo e na Igreja, a religiosa vê a necessidade do silêncio e da verdadeira humildade, insistindo que "o surpreendente sentido do pequeno como portador do futuro marca o estilo de Jesus". A primeira sessão da Assembleia Sinodal, que ela definiu como um mês de semeadura, é vista por ela como "um ato profundamente subversivo e revolucionário", a fim de "abrir um caminho para a reforma - uma nova forma - que a vida exige", e para isso, como algo do Espírito, "captar e narrar semelhanças sem precedentes entre o Reino de Deus e as realidades mais simples, mínimas, frágeis e vitais da terra, semelhanças que abrem o futuro".

A religiosa fez um chamado a ver Deus "no que há de mais baixo" e, assim, "criar e alimentar narrativas concretas disso". É um trabalho que "deve amadurecer a partir da formação da consciência", exigindo "um distanciamento decisivo do cuidado pastoral de qualquer perspectiva estatística, eficiente, processual e sistêmica". Por fim, disse que rezava "para que este Sínodo receba a arte de novas narrativas, a humildade radical de quem aprende a reconhecer a semelhança do Reino nos dinamismos mais verdadeiros e vitais do humano, dos vínculos primários, da vida que bate misteriosamente em todos os mundos e esferas da existência humana, em uma admirável harmonia oculta. Com tanta paciência. A capacidade de olhar para a noite". Isso para relatar "novas parábolas, que dão alimento para o pensamento, para o crescimento, para a esperança, para caminhar - juntos".

Discernimento entre oportunidades e armadilhas

Refletindo sobre a tradição, Ormond Rush, Professor Associado de Religião e Teologia do Instituto de Religião e Investigação Crítica da Universidade Católica Australiana, disse que o Concílio Vaticano II pode "conter algumas lições para este sínodo, já que agora eles realizam a síntese de seu discernimento sobre o futuro da igreja".

Para iluminar as discussões presentes no Concílio, ele se baseou nas palavras do perito do Concílio, Joseph Ratzinger, que observou que a fonte de tensão eram duas abordagens à tradição: uma compreensão "estática" da tradição, legalista, proposicional e a-histórica, relevante para todos os tempos e lugares, tendendo a se concentrar no passado, e uma compreensão "dinâmica", personalista, sacramental e enraizada na história, realizada no presente, mas aberta a um futuro ainda a ser revelado.

Segundo o professor australiano, "a tradição não deve ser vista apenas de forma afirmativa, mas também de forma crítica", vendo a revelação não apenas como "uma comunicação de verdades sobre Deus e a vida humana, articuladas nas Escrituras e em declarações doutrinárias", mas como "uma comunicação do amor de Deus, um encontro com Deus Pai em Cristo por meio do Espírito Santo".

Uma revelação que na Dei Verbum, que é importante para entender a sinodalidade e o próprio propósito deste Sínodo, é apresentada "como um encontro contínuo no presente, e não apenas como algo que aconteceu no passado", como um diálogo. Daí o desafio a todo o povo de Deus de "discernir a diferença entre oportunidades e armadilhas".

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

23 outubro 2023, 12:35