Busca

Estatuetas de anjos são vistas na vitrine de um supermercado local quebrada por estilhaços na região de Kharkiv. (REUTERS/Viacheslav Ratynskyi) Estatuetas de anjos são vistas na vitrine de um supermercado local quebrada por estilhaços na região de Kharkiv. (REUTERS/Viacheslav Ratynskyi) 

ACN e os dez países pelos quais rezar pela paz

"Dirigimo-nos a todos os homens de boa vontade, para os exortar a celebrar o « Dia da Paz », em todo o mundo, no primeiro dia do ano civil, 1 de Janeiro de 1968. Desejaríamos que depois, cada ano, esta celebração se viesse a repetir, como augúrio e promessa, no início do calendário que mede e traça o caminho da vida humana no tempo que seja a Paz, com o seu justo e benéfico equilíbrio, a dominar o processar-se da história no futuro". (São Paulo VI na mensagem pelo I Dia Mundial da Paz)

“Glória a Deus nas alturas e paz aos homens na terra (Lucas 2, 14).” Estas palavras do Evangelho de São Lucas foram cantadas pelos anjos na véspera de Natal diante dos pastores. Isaías, por sua vez, escreve sobre a chegada do Messias: “Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”.

Desde 1968, no dia 1º de janeiro, Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, a Igreja celebra o Dia Mundial da Paz. Há 55 anos, o Papa Paulo VI exortava todos a unirem-se nesse propósito, fazendo o convite "a que se dedique aos pensamentos e aos propósitos da Paz uma celebração especial, no primeiro dia do ano civil”.

Manifestação em Zagreb, em 15 de dezembro de 2023, recorda rianças mortas na Faixa de  Gaza. (Photo by Denis Lovrovic/AFP)
Manifestação em Zagreb, em 15 de dezembro de 2023, recorda rianças mortas na Faixa de Gaza. (Photo by Denis Lovrovic/AFP)

Contudo, em muitos cantos do mundo, o Natal e o início do novo ano não serão tempos de paz. Por esta razão, a fundação de direito Pontifício Ajuda à Igreja que Sofre (ACN, em inglês) convida benfeitores e pessoas de boa vontade a "unirem-se às orações que nos são enviadas por missionários, freiras e bispos de dez países de todo o mundo, para que possamos rezar antes do nascimento ou no celebrações pela paz na sua terra e para o seu povo":

1. TERRA SANTA (GAZA)

 

Em outubro, uma incursão em Israel por comandos armados do grupo terrorista Hamas causou uma comoção global. A resposta de Israel foram bombardeamentos e uma invasão terrestre em Gaza, com consequências devastadoras para a comunidade cristã local. Escreve a Irmã Nabila Saleh, religiosa da Congregação do Santo Rosário que permanece em Gaza com a comunidade cristã desde o início do conflito, no dia 7 de outubro:

No nascimento de Jesus peço que o barulho diminua. Na noite de Natal, que a terra floresça; ba noite de Natal, seja dissipada a guerra; na noite de Natal, floresça o amor. Senhor Jesus, entre em nossos corações, preparamos nossa manjedoura para ti. Suplico-te por todas as crianças mortas nesta guerra, por todas aquelas que morreram nas ruas sem cuidados, por toda a população de Gaza que foi deslocada e não tem nada. Peço-te que os ajude e lhes dê esperança de viver, porque a vida é bela contigo. Abençoe-nos, abençoe nossa terra e o mundo inteiro, e que teu nascimento seja uma fonte de paz que nunca acaba. Amém."

Sacerdote durante procissão na Praça da Manjedoura, que leva à Igreja da Natividade, na cidade de Belém, na Cisjordânia, em 24 de dezembro de 2023. EPA/Wisam Hashlamoun
Sacerdote durante procissão na Praça da Manjedoura, que leva à Igreja da Natividade, na cidade de Belém, na Cisjordânia, em 24 de dezembro de 2023. EPA/Wisam Hashlamoun

2. UCRÂNIA

 

Desde 2014, a Ucrânia tem travado uma guerra defensiva contra a Rússia, intensificada em 2022 com uma invasão russa em grande escala. A Igreja acompanha o povo ucraniano nestes tempos difíceis. Eis o pedido do arcebispo Sviatoslav Shevchuk da Igreja Greco-Católica ucraniana:

“Senhor Jesus, ilumine os líderes. Senhor Jesus, destrua os planos de guerra. Senhor Jesus, dissipa o ódio. Senhor Jesus, fortalece a esperança. Senhor Jesus, reconcilie todos os corações. Senhor Jesus, una todas as nações em ti. Senhor Jesus, proteja os pobres e desamparados. Senhor Jesus, conforte aqueles que sofrem. Senhor Jesus, receba aqueles que morreram devido à violência. Neste momento tão especial do ano em que nos preparamos para receber o recém-nascido Nosso Senhor Jesus Cristo, em meio ao frio, sem luz, sem aquecimento, mas com Deus, que vem nascer de novo entre nós, iremos celebramos este Natal e pedimos que a presença de Deus seja a nossa esperança, seja a nossa fé e seja a fonte da nossa vida nas atuais circunstâncias da guerra na Ucrânia. Que a Sagrada Família seja para nós um exemplo de como receber Jesus Cristo neste Natal tão especial”.

Pessoas inspecionam danos em prédio atacado por drone russo em Odessa, em 14 de dezembro de 2023. (Photo by Oleksandr GIMANOV / AFP)
Pessoas inspecionam danos em prédio atacado por drone russo em Odessa, em 14 de dezembro de 2023. (Photo by Oleksandr GIMANOV / AFP)

3. MIANMAR

 

O golpe de 2021 em Mianmar despertou resistência interna. A junta militar intensificou a perseguição às minorias étnicas, incluindo as comunidades cristãs. Do país asiático, a exortação de dom Celso Ba Shwe, bispo de Loikaw:

“Estamos no meio de um conflito armado em que, perante a destruição e o caos político, tivemos que abandonar todas as nossas paróquias. A situação no território da diocese, afetado pelos confrontos, é muito perigosa; a maioria das paróquias foram abandonadas e estão vazias. Gostaria de recordar que a diocese é uma parte do Povo de Deus, confiada a um bispo em colaboração com o presbitério. Não se trata simplesmente de um espaço geográfico, mas de uma comunidade que se reúne em torno do bispo em unidade com o presbitério. A principal dinâmica da comunidade é o anúncio do Evangelho e a celebração da Eucaristia. No nosso caso, a Igreja fundada por Cristo está viva e presente mesmo no sofrimento. É importante que todos permaneçamos unidos e construamos uma comunidade que atravessa este deserto, reunida em torno do Evangelho e da Eucaristia. Sabemos que Cristo, o Bom Pastor, cuida do rebanho pelo qual deu a vida. Podemos confiar que esta é a Sua vontade para nós agora, e é a melhor maneira de proclamar e testemunhar o Seu poder. Não devemos duvidar das suas palavras: como prometeu a São Paulo, Jesus diz: 'A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza'. Temos todos os motivos para confiar Nele, que não deixará de nos apoiar para fazer o bem, porque “o Senhor é o meu pastor, nada me falta” (Salmo 23). Enquanto formos ovelhas seremos vitoriosos, e mesmo que estejamos rodeados de muitos lobos, iremos vencê-los. Vamos fazer o nosso melhor para nos comportarmos como boas ovelhas cuidando uns dos outros, encorajando uns aos outros, demonstrando amor e fazendo o bem. Coloquemos a comunidade nas mãos da Bem-Aventurada Virgem Maria e de São José, que na noite escura de Belém com todo o seu amor adoraram e protegeram o Filho de Deus, Deus Encarnado e Príncipe da Paz. Que Madre Maria e São José nos protejam de todos os perigos.”

 Igreja destruída por incêndio em Daw Ngay Ku, Mianmar. (Photo Amnesty International/AFP)
Igreja destruída por incêndio em Daw Ngay Ku, Mianmar. (Photo Amnesty International/AFP)

4. SUDÃO

 

Após o golpe de 2019, o Sudão sofreu outro golpe em 2021 e o general Abdel Fattah al-Burhan assumiu o poder. Em 2023, surgiram confrontos entre diferentes facções militares que desencadearam uma guerra civil e que afetam significativamente a comunidade cristã do país. O país africano, a súplica do padre Jacob Thelekkadan, missionário salesiano no Sudão que cuida dos refugiados cristãos na obra salesiana de Dar Mariam:

“Senhor Jesus, Rei da Paz, apesar de ter uma casa em Nazaré, tua mãe e teu pai adotivo foram obrigados a viajar para Belém! E ali, não encontrando alojamento, nascestes num estábulo, numa manjedoura. Tu, o Rei da Paz! Tu, o Filho de Deus! Aqui no Sudão, milhares de pessoas foram forçadas a fugir das suas casas e a viver longe delas como refugiados ou pessoas deslocadas. Aqui em Dar Mariam, nos destes uma grande família com quem viver. Todos desejam regressar às suas casas humildes, mas não podem fazê-lo devido à guerra trágica e sem sentido que dura há oito meses e sete dias no Sudão. Olha com graça para o povo do Sudão! Com o poder do teu sangue derramado na Cruz, comova todas as partes em conflito com o teu poderoso amor, fonte de reconciliação. Que os grupos beligerantes se reconciliem e negociem um longo cessar-fogo e depois uma paz verdadeira no Sudão! Que cheguem até ti os gritos angustiantes dos pobres, dos enfermos e dos sofredores, ó Jesus, Rei da Paz! Derrama o teu precioso dom de paz sobre o Sudão! Que todas as armas de guerra e o espírito de ódio, vingança, ganância e orgulho sejam destruídos! Possa a verdadeira paz florescer novamente no Sudão! Amém."

Refugiados sudaneses atendidos por funcionários do UNICEF na fronteira com o Chade. (Photo by Guelpeur Denis Sassou/AFP)
Refugiados sudaneses atendidos por funcionários do UNICEF na fronteira com o Chade. (Photo by Guelpeur Denis Sassou/AFP)

5. BURKINA FASO

 

A violência no Burkina Faso faz parte do conflito regional do Sahel, onde grupos jihadistas impuseram regras radicais que também afeTam a população cristã. O Padre Honoré Ouedraogo, sacerdote da DIocese de Tenkodogo, Burkina Faso faz esse pedido:

“Jesus Emmanuel, tu que vens no Natal para restabelecer a paz, a segurança e a justiça no mundo: no início do Natal de 2023 e do novo ano de 2024, te suplicamos por Burkina Faso, pelo Sahel e por todos os países cujo bem-estar, liberdade e paz estão ameaçadas por graves atos de terrorismo. Jesus Emanuel, tu, Príncipe da Paz, olha para os teus filhos e ouve o nosso apelo: concede aos corações aflitos o conforto de mãos solidárias e auxiliadoras; aos deslocados, um rápido regresso às suas famílias, e aos que nos deixaram, o descanso eterno. Pedimos-te por todos os que sofrem e por aqueles que causam sofrimento. Tenha smisericórdia daqueles que morrem e daqueles que causam a morte. Conceda a cada um uma profunda conversão do coração e faça crescer em todos nós o amor ao próximo para alcançar uma fraternidade real e ativa. Jesus Emmanuel, tu, Filho da Virgem Maria, salva Burkina Faso e todos os países que sofrem a angústia da guerra, e concede-lhes a paz integral e verdadeira que provém de ti. Amém!"

Refugiados em fuga de jihadistas no Sahel. (Photo by Nipah Dennis/AFP)
Refugiados em fuga de jihadistas no Sahel. (Photo by Nipah Dennis/AFP)

6. REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO

 

Há décadas, o país tem vivido episódios de violência, especialmente na região oriental, com conflitos que remontam à década de 1990. Estas tensões incluem confrontos com o país vizinho do Ruanda e a ctividade de diversas milícias regionais. As tensões étnicas em diferentes regiões do país intensificaram-se, agravando ainda mais a instabilidade e o sofrimento da população. Nesse sentido, a oração do padre Robert Kasongo Nsaka, sacerdote da Diocese de Kabinda:

“Venha, Príncipe da Paz, e silencie as armas. Senhor Deus nosso Pai, Tu criaste o homem à tua imagem para que ele viva feliz e te sirva em paz até a chegada do Reino dos Céus. Deus nosso Pai, todos os dias um congolês morre atingido por uma bala, deixando para trás uma dor intransponível. As lágrimas não param de correr porque o homem se tornou mau. Ó Emanuel, venha e enxugue as lágrimas daqueles que sofrem nas guerras em todo o mundo. Venha e enxugue especialmente as lágrimas dos congoleses que suportam injustamente uma guerra há várias décadas. Dá-nos a força para perdoar aqueles que nos matam, como fizeste na Cruz. Dá-nos forças para rezar pela conversão dos nossos inimigos. Príncipe da Paz, enxuga nossas lágrimas. Príncipe da Paz, conforte nossos corações feridos. Príncipe da Paz, dá-nos a paz. Amém".

Policiais da República Democrática do Congo (RDC) perseguem apoiantes do líder da oposição Martin Fayulu durante uma manifestação em Kinshasa, em 27 de dezembro de 2023. Photo by John Wessels / AFP)
Policiais da República Democrática do Congo (RDC) perseguem apoiantes do líder da oposição Martin Fayulu durante uma manifestação em Kinshasa, em 27 de dezembro de 2023. Photo by John Wessels / AFP)

7. ETIÓPIA

 

Como resultado do conflito em Tigray, a Etiópia atravessa uma situação delicada com tensões internas. Em 2023, os confrontos entre as milícias Amhara e Oromia têm aumentado, intensificando a instabilidade e os problemas do país. Do país africano, a oração do bispo Lisane-Christos Matheos Semahun, da Diocese de Bahir Dar-Dessie

“Senhor, Deus de paz, ouve a nossa oração! Confiamos-te a Etiópia e o seu povo para nos concederes a tua paz duradoura. Tentamos tantas vezes e por tantos anos resolver os nossos conflitos com as nossas próprias forças e com o poder das nossas armas, quando deveríamos optar pelo diálogo e pela reconciliação. Quanto sangue foi derramado? Quantas vidas foram destruídas? Quantas esperanças foram sepultadas....? Porém, Nossos esforços foram em vão. Agora, Senhor, venha em nosso auxílio! Conceda-nos a paz, ensine-nos a paz; guia os nossos passos no caminho da paz. Senhor, aplaca a violência da nossa língua e das nossas mãos. Dá-nos a coragem de dizer: “Nunca mais à guerra!”; "Com a guerra, tudo se perde." Incuti em nossos corações a coragem de dar passos concretos pela paz. Amém."

Refugiados etíopes preparam-se para receber comida no campo Um-Rakoba, estado de Al-Qadarif. (Reuters/Mohamed Abdallah)
Refugiados etíopes preparam-se para receber comida no campo Um-Rakoba, estado de Al-Qadarif. (Reuters/Mohamed Abdallah)

8. CAMARÕES

 

Desde a independência, o povo camaronês tem sofrido conflitos internos porque a comunidade anglófona se sente discriminada pela maioria francófona do país. Desde 2016 há uma guerra civil interna em curso, chamada Guerra de Ambazonia, com lutas pela independência do Sul dos Camarões. Milhares de pessoas morreram no conflito e mais de meio milhão foram forçadas a fugir das suas casas.

“Senhor Jesus Cristo, Sacerdote eterno, Rei dos reis, Senhor dos senhores e Príncipe da Paz. Celebramos o teu nascimento, Senhor, num momento em que o nosso mundo é assolado por diversas guerras que nos privam da paz e da tranquilidade no corpo, na alma e no espírito. Perante esta realidade, dirigimo-nos a vós com confiança, implorando-vos que venhais em nosso auxílio e nos infundais a coragem de dar passos concretos rumo a uma paz duradoura. Pedimos o fim da violência nos Camarões. Abre os nossos olhos para que possamos ver-te e os nossos corações, para que te amemos verdadeiramente, Príncipe da Paz, em cujas mãos estão as chaves daquela paz que o mundo não é capaz de se dar. Amém". (Bispo Aloysius Fondong Abangalo, Bispo de Mamfe)

Migrante camaronesa na fronteira entre México e EUA. (Photo by David Swanson/AFP)
Migrante camaronesa na fronteira entre México e EUA. (Photo by David Swanson/AFP)

9. ÍNDIA

 

Conflitos étnicos e religiosos ocorrem neste país, e entre eles vale destacar a violência desencadeada durante 2023 em Manipur, onde os ressentimentos étnicos se intensificaram a ponto de causar perseguições religiosas. Nos últimos anos, a política de supremacia hindu do partido BJP aumentou a intolerância para com os cristãos.

“A situação continua sombria e tensa. Entretanto, milhares de pessoas estão em campos de deslocados porque suas casas foram destruídas. A Igreja está envolvida em diálogos com outras organizações religiosas e apela às autoridades para que procurem soluções amigáveis. No entanto, há muito a fazer e a necessidade é grande, pois a destruição e a perda para as comunidades e para a Igreja são consideráveis. Neste momento, o que mais precisamos são das suas orações. O poder da oração pode transformar a mente daqueles que vivem guiados pelo ódio e pela intolerância religiosa. Precisamos rezar pelos nossos líderes políticos, tomadores de decisão e todas as pessoas de boa vontade para que sejam encontrados soluções amigáveis ​​para esta violência comunitária e intolerância religiosa. Que haja paz, harmonia e fraternidade, e que aqueles que foram privados de seus direitos e dignidade recebam justiça”. (Dom Dominic Lumon, arcebispo de Imphal)

Em Karachi, Paquistão, cristãos protestam com violência e queima de Igrejas. (Photo by Rizwan Tabassum/AFP)
Em Karachi, Paquistão, cristãos protestam com violência e queima de Igrejas. (Photo by Rizwan Tabassum/AFP)

10. HAITI

 

Após o assassinato do Presidente Jovenal Moise em 2021, o Haiti mergulhou num caos crescente, com gangues de rua exercendo controlo em áreas-chave. A criminalidade e a pobreza persistem e há um aumento alarmante de assassinatos, sequestros e violência sexual, deixando a população numa grave situação de vulnerabilidade. Do país do Caribe, a oração de dom Max Leroys Mesidor, arcebispo de Porto Príncipe:

“Nós, haitianos, celebraremos o Natal num contexto de grande sofrimento, causado especialmente pela dominação infernal dos grupos armados e pela indiferença dos atores políticos. Mas nossa esperança é firme. Rezamos para que a festa de EMANUEL seja uma oportunidade para nos unirmos fraternalmente e sairmos das nossas noites de medo, desconfiança e violência. Esperamos sentir cada vez mais o apoio da comunidade internacional para o desarmamento e recuperação do nosso país. Que todos nós, irmãos e irmãs de todo o mundo, permaneçamos na paz do Senhor neste Natal e durante todo o ano de 2024!

Haitianos que fogem da violência de gangues encontram abrigo em uma arena esportiva, em Porto Príncipe. (Photo by  Ralph Tedy Erol/REUTERS)
Haitianos que fogem da violência de gangues encontram abrigo em uma arena esportiva, em Porto Príncipe. (Photo by Ralph Tedy Erol/REUTERS)

*Com Ajuda à Igreja que Sofre

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

27 dezembro 2023, 10:07