Busca

Foto de arquivo: República Democrática do Congo  (AFP or licensors) Foto de arquivo: República Democrática do Congo (AFP or licensors)

República Democrática do Congo: ataque a uma igreja pentecostal deixa 8 mortos

Pelo menos oito pessoas foram mortas, cinco delas enquanto rezavam, em um ataque realizado na terça-feira, 30 de janeiro, em Baeti, no leste do país, por rebeldes das Forças Democráticas Aliadas afiliados ao autodenominado Estado Islâmico (EI). Outras trinta pessoas foram feitas reféns pelos agressores, que também invadiram várias aldeias vizinhas, informam agências e fontes locais

Vatican News

Ouça e compartilhe

Várias aldeias em Beni e arredores foram atacadas por homens armados na terça-feira, 30 de janeiro, que executaram civis com armas brancas, alguns dos quais estavam orando em uma igreja bramanista, uma comunidade pentecostal na República Democrática do Congo. "Oito corpos de civis mortos pelos rebeldes das Forças Democráticas Aliadas (ADF) foram levados para o necrotério" do hospital de Oicha, incluindo "cinco cristãos bramanistas mortos enquanto oravam" em Baeti, disse à AFP Nicolas Kikuku, prefeito do município de Oicha, cidade no território de Beni, na conturbada província de Kivu do Norte, na fronteira com Ituri. "Os inimigos os executaram", ressaltou o prefeito, acrescentando que várias outras pessoas estão desaparecidas. Darius Syahira, relator da sociedade civil local, confirmou o ataque, ratificando que os corpos haviam sido levados para o necrotério.

Trinta pessoas mantidas como reféns

Outras fontes locais informaram que trinta pessoas foram feitas reféns pelos assaltantes, que estão acostumados a invadir áreas no leste do Congo, queimando casas, matando habitantes e roubando muitos pertences. No sábado, 27 de janeiro, outras fontes informaram que 32 pessoas foram mortas, incluindo cinco paroquianos decapitados em uma igreja, durante ataques no nordeste da República Democrática do Congo, novamente atribuídos às Forças Democráticas Aliadas, afiliadas ao autodenominado Estado Islâmico (EI).

Mais de 30 anos de instabilidade

As províncias de Kivu do Norte e Ituri estão sitiadas desde 2021, e uma medida substituiu as autoridades civis por uma administração militar para combater os grupos armados. Originalmente formado por rebeldes muçulmanos de Uganda, as Forças Democráticas Aliadas estão presente desde meados da década de 1990 no leste da República Democrática do Congo, onde já matou milhares de civis. Em 2019, os rebeldes juraram lealdade ao autodenominado Estado Islâmico, que os apresenta como sua "província da África Central". No final de 2021, após ataques atribuídos a eles em solo ugandense, Kampala e Kinshasa lançaram uma operação militar conjunta contra as Forças Democráticas Aliadas, cognominada de "Shujaa", mas os rebeldes continuam suas atrocidades. Em dezembro de 2023, eles foram acusados de lançar dois ataques no oeste de Uganda, nos quais 13 pessoas foram mortas. A República Democrática do Congo, que está saindo de um período eleitoral tenso, passou por algumas semanas de calma em suas províncias do leste, que têm sido cronicamente instáveis por mais de três décadas. Mas os ataques recomeçaram há cerca de uma semana no território de Beni, onde cinco civis foram mortos em 23 de janeiro em um ataque reivindicado pelas Forças Democráticas Aliadas.

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

01 fevereiro 2024, 11:22