Busca

Residentes fogem da violência em Port-au-Prince Residentes fogem da violência em Port-au-Prince 

Sete religiosos sequestrados no Haiti

E no país caribenho continuam os sequestros de religiosos. Seis Irmãos do Sagrado Coração foram levados por grupos armados quando se dirigiam a uma escola, enquanto outro sacerdote foi levado depois de celebrar a Missa em Porto Príncipe. Atingido por explosão no último domingo, dom Dumas foi submetido a uma cirurgia.

Vatican News

Seis Irmãos do Sagrado Coração foram sequestrados na manhã desta sexta-feira, 23 de fevereiro, quando se dirigiam para a missão da École Jean XXIII no Haiti.

“Rezemos pela sua libertação e pelo fim desta chaga de insegurança”, escrevem em um comunicado os religiosos e religiosas locais, que sublinham que a escola é a única que ainda funciona na zona de alto risco no centro da capital Porto Príncipe. Um sacerdote que acabava de celebrar Missa na Capela de Nossa Senhora de Fátima, no bairro Bicentenário da capital, também foi sequestrado.

Dom Dumas operado

 

Por outro lado, dom Pierre-André Dumas, bispo de Anse-à-Veau e Miragoâne, foi submetido a duas cirurgias depois de ter sido ferido no domingo passado por uma explosão na casa onde estava hospedado durante uma visita a Porto Príncipe. Dom Dumas está melhor e já começou a se alimentar, informam fontes locais, e será transferido ainda hoje ou amanhã para um hospital em Miami.

A insegurança e a instabilidade continuam

 

A situação no país caribenho continua muito grave no que diz respeito à insegurança causada pela forte instabilidade política e pela polícia que não consegue combater as gangues armadas que assolam especialmente na capital.

Sacerdotes e religiosos são frequentemente alvo de sequestros por grupos criminosos, seduzidos pela crença de que a Igreja haitiana é rica e pode pagar resgates. O último episódio grave ocorreu há cerca de um mês, quando seis religiosas foram sequestradas. Naquela ocasião, no Angelus do dia 21 de janeiro, o Papa Francisco dirigiu uma oração “pela harmonia social” no Haiti e um convite a todos “para pôr fim à violência que causa tanto sofrimento àquela querida população”.

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

23 fevereiro 2024, 20:47