Busca

Manifestações de domingo em Niamey em apoio ao governo golpista Manifestações de domingo em Niamey em apoio ao governo golpista 

Níger: manifestações a favor do governo golpista, alerta sobre desnutrição

Em Niamey, milhares de pessoas saíram às ruas em apoio ao golpe militar. O General Tiani, o novo homem forte do país, reuniu-se com uma delegação da Cedeao e anunciou uma transição que não durará mais do que três anos. Unicef dá o alarme sobre a dramática situação humanitária.

Marco Guerra - Vatican News

Vários milhares de pessoas se manifestaram neste domingo, 20 de agosto, na capital do Níger, Niamey, em apoio à junta militar que tomou o poder em 26 de julho, removendo o presidente Mohamed Bazoum, agora em prisão domiciliar com sua família.

Tiani se reúne com uma delegação da Cedeao

Houve muitos slogans contra a França e a Comunidade dos Estados da África Ocidental, Cedeao, contra as sanções e a intervenção militar.  A manifestação de rua ocorreu depois que o general Abdourahamane Tiani, que chegou ao poder por meio de um golpe de Estado, fez um discurso televisionado no sábado anunciando um diálogo nacional, especificando que a duração da transição não excederá três anos. Pouco antes, Tiani havia se reunido com uma delegação da CEDEAO, liderada pelo ex-presidente nigeriano Abubakar, que tinha ido negociar uma saída para a crise e visitar o presidente deposto Bazoum. "Há esperança e uma chave para continuar as conversações", disse Abubakar.

Tensões no Sahel

Mas o fim da crise está longe, pois as pesadas sanções da CEDEAO aprovadas em 30 de julho permanecem e, na sexta-feira, os chefes militares dos países da África Ocidental, à margem de uma reunião realizada em Acra, Gana, anunciaram que haviam finalizado os detalhes de uma intervenção militar contra os golpistas do Níger e até mesmo definido o dia da intervenção, que, no entanto, ainda permanece em segredo. O General Tiani, portanto, alertou que o Níger não ficará de braços cruzados no caso de uma intervenção. "Se uma agressão for empreendida contra nós, não será um passeio no parque como alguns acreditam", disse ele, assegurando que a Cedeao queria constituir "um exército de ocupação em colaboração com um exército estrangeiro", sem mencionar nenhum país. Três dos 15 países da Cedeao - Mali, Burkina Faso e Guiné - se recusam a tomar medidas contra o Níger porque também são liderados por juntas militares.

Crise humanitária

Por fim, a situação humanitária está piorando devido à crise. O Unicef alerta que há mais de dois milhões de crianças vulneráveis cuja situação se deteriorou ainda mais desde o golpe e as sanções. O Unicef está pedindo a liberação de navios e contêineres contendo ajuda de emergência que não podem entrar no país. A crise em curso na República do Níger continua a representar um perigo cada vez maior para milhões de crianças vulneráveis no país", diz uma declaração de Stefano Savi, representante do Unicef no local. "A situação atual é muito preocupante e acrescenta um fardo pesado a um cenário humanitário já terrível, onde a prevalência de desnutrição grave entre as crianças é extremamente alta.

 

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

21 agosto 2023, 15:24