Busca

Santa Missa presidida pelo Cardeal Charles Bo na Basílica do Vaticano Santa Missa presidida pelo Cardeal Charles Bo na Basílica do Vaticano  (Vatican Media)

Sínodo, Cardeal Bo: um caminho entre gerações para um mundo justo e pacífico

Durante a missa celebrada nesta manhã na basílica do Vaticano, antes do início da 16ª Congregação Geral, o arcebispo de Yangon disse que a preocupação do sínodo é o legado que será deixado para os jovens. Sobre a Ásia, o cardeal disse que a assembleia sinodal exortou as pessoas a "retornarem aos grandes dias da evangelização dos apóstolos".
Ouça e compartilhe

Tiziana Campisi - Cidade do Vaticano

O que foi proposto pela Igreja é um caminho sinodal intergeracional "que inaugura um longo caminho de esperança para toda a humanidade, mesmo em meio à agitação global, como testemunham os recentes acontecimentos na Ásia Ocidental e em outras regiões do mundo". Em sua homilia na missa presidida na manhã de hoje, 23 de outubro, no Altar da Catedral na Basílica de São Pedro, antes do início da 16ª Congregação Geral do Sínodo, o cardeal Charles Bo, Arcebispo de Yangon, Mianmar, e Presidente da Federação das Conferências Episcopais Asiáticas (Fabc), ofereceu uma descrição clara do que é o Sínodo sobre a Sinodalidade, que não é um itinerário definido, não "uma odisseia espacial pré-programada com equações matemáticas fixas".

Uma jornada sinodal de fé

Assim como "quando embarcamos em diferentes caminhos na vida e na fé" e "muitas vezes não temos certeza sobre nosso destino" - e somos chamados a "nos aventurar no desconhecido" com Deus, que "se torna nosso guia, nosso mapa rodoviário e nosso companheiro de viagem" - assim "a Igreja é chamada a ser justa, a incorporar uma jornada sinodal de fé com a certeza de que Deus nunca decepciona", disse o cardeal. A fé, de fato, explicou ele, "ilumina o caminho através dos momentos mais escuros e tumultuados da vida, permitindo-nos ver a graça de Deus penetrando nas sombras. E se surgirem dúvidas e ansiedades, podemos nos inspirar "em figuras como Moisés" e "mesmo que não consigamos chegar ao destino pretendido, participar da jornada será, por si só, uma bênção".

A indústria de armas acumula riqueza às custas de milhões de pessoas

Em sua homilia, o Arcebispo de Yangon também ofereceu uma reflexão sobre o Evangelho de hoje, no qual "Jesus conta a parábola de um proprietário de terras ganancioso cujos desejos levam à autodestruição", uma reflexão que mostra como "a ganância insaciável que habita no coração humano" leva ao "egoísmo egocêntrico". É "o pecado original que está na raiz de muito sofrimento e conflito humano", continuou o presidente da Fabc, acrescentando que "a parábola do rico proprietário de terras com seus depósitos excessivos é uma metáfora do mundo atual, onde as guerras e a indústria de armas acumulam grande riqueza às custas do sofrimento de milhões de pessoas". O que fazer diante de tudo isso? São Paulo nos dá uma sugestão, disse o cardeal: acreditar "em um Deus que deseja uma jornada humana de esperança e cura" e alinhar seus sonhos com o plano de Deus. Deus, de fato, tem um plano para cada um de nós e para a nossa Igreja, e nossos caminhos e planos devem estar alinhados com a Sua vontade", observou o cardeal Bo.

Fiéis presentes na celebração no Altar da Cátedra na Basílica de São Pedro
Fiéis presentes na celebração no Altar da Cátedra na Basílica de São Pedro

Um olhar para as gerações futuras

Olhando para o mundo de hoje, o arcebispo de Yangon observou que a ganância humana já infligiu feridas profundas em nosso planeta e privou milhões de pessoas de sua dignidade. Isso foi enfatizado pelo Papa Francisco na: Evangelii Gaudium, Laudato si' e Fratelli tutti, que, respectivamente, pedem reconciliação com Deus, com a natureza e uns com os outros, enquanto "nossa jornada sinodal é sobre curar e reconciliar o mundo em justiça e paz". "A única maneira de salvar a humanidade e criar um mundo de esperança, paz e justiça", disse o cardeal, "é a sinodalidade global de todas as pessoas”. Com isso em mente, a preocupação deste Sínodo "é o legado que deixaremos para a próxima geração", confidenciou o cardeal Bo, lembrando o convite do Papa Francisco para considerar o "conceito de justiça intergeracional" e centralizando sua reflexão no aquecimento global que "devastou as comunidades e os meios de subsistência de milhões de pessoas, ameaçando escapar à próxima geração".

A realidade asiática

"Como bispos da Ásia, estamos bem cientes dos danos ambientais infligidos em nossa região por desastres relacionados ao clima", continuou o arcebispo de Yangon. "Temos uma população significativa de comunidades cristãs indígenas, particularmente no Mar do Sul da China, na Índia central, no Vietnã e em Mianmar. Essas são comunidades que 'protegeram a natureza, mas também sofreram com as ideologias modernas, a colonização e a exploração de recursos', daí o apelo do cardeal para que voltemos nossa atenção para 'a destruição de enormes extensões de florestas, os pulmões do nosso planeta nessas regiões, e o aumento da violência contra esses povos indígenas'. "A Ásia é o berço das principais religiões do mundo e é nessa região que a mensagem de Jesus criou raízes pela primeira vez", observou o presidente da Fabc, falando também da Igreja local, que "enfrentou vários desafios ao longo da história", mas "permanece vibrante e jovem" apesar das dificuldades. "Mas essa reunião sinodal nos estimulou a voltar aos grandes dias de evangelização dos apóstolos", revelou o cardeal Bo, pedindo que acolhêssemos "com otimismo o convite para que a Ásia se volte no século XXI para Cristo, inspirado pela jornada sinodal da Igreja global".

Santa Missa presidida pelo cardeal Bo
Santa Missa presidida pelo cardeal Bo

Caminhar para a cura do mundo

Considerando os desafios enfrentados pelos cristãos asiáticos, os pensamentos do arcebispo de Yangon se direcionaram para Mianmar, onde os fiéis estão dispersos "devido a desastres naturais e crises provocadas pelo homem, causando crises multidimensionais e imenso sofrimento", onde "casas desapareceram e as igrejas sofreram o impacto da crueldade". Mas "a Igreja em Mianmar e na Ásia investe na esperança de reconciliação", concluiu o cardeal, incentivando as pessoas a continuarem a jornada sinodal e a rezarem "para que a Igreja Católica, sob a liderança do Papa Francisco, conduza toda a família humana na longa jornada de cura do nosso mundo e do nosso planeta, conduzindo-nos, por fim, a um novo céu e a uma nova terra".

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

23 outubro 2023, 13:30