Busca

Os Jardins do Vaticano Os Jardins do Vaticano 

De Paulo VI a Francisco: a defesa da Casa Comum

Com a participação na COP28 em Dubai vem o gesto histórico do Papa Francisco: é a primeira vez que um pontífice viaja para uma conferência das Nações Unidas sobre mudança climática. E é o ponto culminante de décadas de defesa da Casa Comum pela Santa Sé nos tempos contemporâneos.

Marine Henriot - Vatican News

Desde a sua eleição em março de 2013, o Papa Francisco tem enfatizado a preservação da criação e a proteção dos pobres e vulneráveis. A publicação da encíclica Laudato si', em junho de 2015, é a demonstração disso: um texto dedicado a questões ambientais e sociais que lembra um dos lemas do pontificado: "tudo está conectado... o grito da terra e o grito dos pobres não podem esperar mais".

Entretanto, se a Laudato si' e a mais recente exortação apostólica Laudate Deum contribuíram para a disseminação de uma doutrina ecológica da Igreja, isso vem de longa data. Em entrevista ao Vatican News antes da próxima viagem de Francisco a Dubai, o Frei Thomas Michelet, dominicano francês e professor da Pontifícia Universidade de São Tomás de Aquino (Angelicum) em Roma, autor do livro "Os Papas e a Ecologia", afirmou: "a encíclica Laudato si' desenvolve um magistério expresso ao longo de várias décadas".

Os apelos de Paulo VI 

A primeira menção do risco de uma "catástrofe ecológica" por um Papa aparece na declaração de Paulo VI em seu discurso à FAO (Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação) em 1970. "Esse discurso representa um marco no ensinamento dos Papas, a partir de uma perspectiva que podemos realmente chamar de ecológica no sentido em que a entendemos hoje", comenta o frade. Outra das mensagens mais significativas de Paulo VI é, sem dúvida, a dirigida aos participantes da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente, em Estocolmo, em junho de 1972, na qual o Pontífice utiliza - como analisa o Pe. Michelet em seu livro - conceitos tipicamente ecológicos e modernos para a época, como a indissolubilidade do homem em relação ao seu ambiente.

Hoje, de fato, emerge a consciência de que o homem e o seu ambiente são mais inseparáveis do que nunca: o ambiente condiciona essencialmente a vida e o desenvolvimento do homem; este, por sua vez, aperfeiçoa e enobrece seu ambiente com a sua presença, o seu trabalho, a sua contemplação. Mas a capacidade criativa humana só produzirá frutos verdadeiros e duradouros na medida em que o homem respeitar as leis que regulam o ímpeto vital e a capacidade regenerativa da natureza: ambos são, portanto, solidários e compartilham um futuro temporal comum. Portanto, a humanidade é advertida a substituir o impulso, muitas vezes cego e brutal, de um progresso material entregue ao seu próprio dinamismo, o respeito à biosfera em uma visão complexiva do seu domínio, que se tornou 'uma única Terra'...

Papa Paulo VI
Papa Paulo VI

A mensagem de João Paulo II

Depois de duas décadas, o retorno da ecologia ao centro do magistério pontifício se deve à mensagem de João Paulo II para o Dia Mundial da Paz, de 1º de janeiro de 1990. Um texto que hoje é considerado o primeiro documento de um Papa dedicado globalmente à ecologia. "A sociedade de hoje não encontrará solução para o problema ecológico se não rever seriamente o seu estilo de vida. Em muitas partes do mundo, ela é propensa ao hedonismo e ao consumismo e permanece indiferente aos danos causados. Como já observei, a gravidade da situação ecológica revela o quanto é profunda a crise moral do homem", escreveu o Papa polonês.

Inúmeras declarações sobre o meio ambiente foram assinadas posteriormente, e a dimensão ecumênica também foi afirmada nesse terreno ecológico. João Paulo II, Pontífice proveniente de um Leste Europeu em plena industrialização, viu com seus próprios olhos o sofrimento infligido à natureza. "De fato, havia uma catástrofe ecológica nesses Países do Leste e acredito que João Paulo II estava ciente disso, e em algumas passagens da sua encíclica sobre o trabalho (Laborem exercens), por exemplo, vemos essa questão vir à tona", enfatiza o Fr. Michelet.

João Paulo II
João Paulo II

Bento XVI, o Papa verde

Por sua vez, Bento XVI tinha como objetivo tornar a Cidade do Vaticano o primeiro estado do mundo com um balanço de carbono equilibrado, ou seja, de compensar suas emissões de gases de efeito estufa. O Papa alemão incentivou o plantio de árvores, a instalação de painéis fotovoltaicos no telhado do Sala Paulo VI e o abandono de pesticidas não orgânicos no Castel Gandolfo, a residência de verão dos Pontífices. Além dessas ações simbólicas, o interesse de Bento XVI pela ecologia também pode ser visto em sua encíclica Caritas in veritate, publicada em junho de 2009, onde afirma: "as questões ligadas ao cuidado e à proteção do meio ambiente devem levar em conta hoje as questões energéticas. A acumulação de recursos energéticos não renováveis por parte de certos Estados, grupos de poder e corporações constitui, de fato, um sério impedimento ao desenvolvimento dos países pobres. Esses não têm os meios econômicos para acessar as fontes de energia não renováveis existentes nem para financiar a pesquisa de fontes novas e alternativas". Bento XVI estava "preocupado em denunciar as ligações um tanto neopagãs de certas ideias ecológicas", afirma o professor Michelet.

Bento XVI
Bento XVI

A novidade de Francisco

O Papa Francisco está, portanto, seguindo os passos de seus predecessores, alcançando a base comum do pensamento cristão, baseado na proteção da criação. De acordo com o Fr. Thomas Michelet, "a nova percepção de Francisco, muito forte na Laudato si', é a percepção de que o planeta se tornou um pequeno ser frágil". "O próprio planeta se tornou uma coisinha pobre nas mãos do homem, que se tornou superpoderoso por meio da sua tecnologia, o que obviamente não era antes. De fato, o homem agora tem os meios técnicos para destruir o planeta Terra, o que obviamente muda muito a nossa abordagem de mundo", conclui o frade dominicano.

Papa Francisco
Papa Francisco

O Vaticano mais "verde"

Em 6 de julho de 2022, o Vaticano aderiu oficialmente à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, comprometendo-se com a neutralidade de carbono, um projeto iniciado por Bento XVI. Com base nisso, o Governatorato do Estado da Cidade do Vaticano anunciou em novembro que havia lançado um programa de desenvolvimento de mobilidade sustentável intitulado "Conversão Ecológica 2030", que também visa reduzir as emissões de CO2 da sua frota de veículos. Os carros do Estado da Cidade do Vaticano serão gradualmente substituídos por veículos elétricos.

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

28 novembro 2023, 08:00