Busca

A Missa de encerramento da Assembleia Sinodal do Oriente Médio A Missa de encerramento da Assembleia Sinodal do Oriente Médio 

Concluída Assembleia Sinodal das Igrejas do Oriente Médio

O evento que reuniu os patriarcas das Igrejas Orientais teve início no dia 13 de fevereiro em Bethânia-Harissa, Líbano. “A sinodalidade está no centro do patrimônio de nossas Igrejas Orientais”, escrevem os participantes na declaração final, na qual pedem um aprofundamento do diálogo inter-religioso e “um ecumenismo criativo e renovado”. O convite para dar mais espaço e papéis de decisão às mulheres e aos jovens

Vatican News

“A sinodalidade está no centro do patrimônio de nossas Igrejas Orientais”. Este é um dos pontos reafirmados na declaração final da Assembleia Sinodal Continental das Igrejas Católicas no Oriente Médio, que começou em 13 de fevereiro e terminou na sexta-feira, 17, em Bethânia - Harissa, no Líbano.

A "família católica" participou do evento com suas sete Igrejas, representadas pelos patriarcas e delegações provenientes do Egito, Síria, Jordânia, Terra Santa, Iraque, Líbano e Estados do Golfo. Também estiveram presentes o secretário geral do Sínodo, cardeal Mario Grech, o relator geral da próxima Assembléia Geral do Sínodo, cardeal Jean-Claude Hollerich, e a Ir. Nathalie Becquart, subsecretária da Secretaria Geral do Sínodo.

Em oração pela Turquia e Síria

 

“Nós e nosso povo orante agradecemos ao Espírito Santo que nos conduziu juntos para uma Igreja sinodal e nos inspirou a rezar juntos em comunhão, participação e missão”, escrevem os participantes da Assembleia Continental. O encontro  que “realiza-se em circunstâncias difíceis para nossa região, sobretudo econômicas e humanitárias, em particular devido às repercussões do devastador terremoto que atingiu nossos irmãos na Síria e na Turquia”. Neste contexto, os participantes da assembléia se concentraram neste evento "doloroso e comovente" e elevaram "orações diárias pelas vítimas, feridos e deslocados nas áreas afetadas". 

 

Os trabalhos prosseguiram e tiveram bom êxito, tendo sido destacadas as "coisas positivas profundas que unem nossas Igrejas e estabelecem a sua presença como Igreja de esperança nos países do Oriente Médio, apesar de ser uma presença no coração das adversidades, como uma Igreja que desafia uma realidade que se impõe".

Unidade na diversidade

 

Refletindo e trabalhando durante uma semana sobre o que já emergiu durante a primeira fase de consultas nas Igrejas locais em vários países do Oriente Médio e do Golfo, a Assembleia Sinodal reafirma no documento final “as seguintes constantes fundamentais da Igreja”. Em primeiro lugar, "a unidade na diversidade através da unidade na comunhão, missão e testemunho das Igrejas", depois "as raízes comuns das Igrejas como fundamento de uma mensagem unitária"; “a presença e os talentos dos leigos a serviço do Corpo de Cristo”.

Papel das mulheres

 

Foco também na "importância do papel e da missão da mulher na Igreja e sua participação no processo de tomada de decisão e no serviço". Também "o papel dos jovens, suas capacidades e expectativas por uma Igreja renovada, refletem os desafios que eles têm que enfrentar".

“A liturgia – lê-se ainda – é a nossa vida e o apelo a uma renovação litúrgica compatível com as aspirações dos nossos jovens, conservando a sua essência e os seus símbolos”.

Um ecumenismo renovado

 

Os participantes do evento continental também apelam a "um ecumenismo criativo e renovado e a estimular o diálogo ecumênico": "A Igreja dê abertura aos outros diferentes em nível eclesiástico e religioso, por meio da escuta, do diálogo e da união, na convivência, na colaboração e no respeito recíproco, para mostrar o rosto do único Deus". “Comunhão e esperança no sofrimento – é outro ponto reiterado – rumo a uma Igreja humilde como um 'grão de mostarda', chamada a crescer e se expandir entre o desafio da sobrevivência e a recusa da emigração”.

Uma Igreja mais sinodal

 

Pedida depois  “a missão, o testemunho e as estruturas renovadas para uma Igreja mais sinodal”, assim como “uma pastoral especializada para as famílias, mulheres e jovens”.

A declaração final também destacou "a importância dos meios de comunicação e da cultura digital como uma ferramenta de comunicação eficaz nas mãos da Igreja para transmitir sua mensagem de maneira mais completa". O auspício final é também de "continuar o espírito de sinodalidade em cada Igreja particular com a questão central: como cada Igreja pode ser mais sinodal à luz do trabalho desta Assembleia continental de Igrejas Católicas no Oriente Médio".

Obrigado por ter lido este artigo. Se quiser se manter atualizado, assine a nossa newsletter clicando aqui

18 fevereiro 2023, 16:07